23 agosto 2010

Moldura

O que você faria se sua alma partisse
para sempre fosse embora,
atravessasse mares, terras desconhecidas
e de você se esquecesse?
Simplesmente esquecesse de tudo quanto foi,
de tudo o que fez?
Não haveria mais flores nesse jardim,
nem velas a apagar.
O que você faria se, ao partir,
ela drenasse todo seu sangue,
lhe rasgasse a pele friamente, sorrindo,
e lhe tapasse os olhos
para lhe impedir de ver a noite ir e vir
naturalmente?
Nem o rosto nem a voz ao seu alcance,
nunca mais.
Sua alma simplesmente seguiria por outro caminho,
alçaria outros voos...
O que seria de sua vida?
ausência do cheiro, do toque,
de lhe embalar num abraço certo,
você não sentiria mais o mundo girar,
os pés saírem do chão
nem veria as pessoas em câmera lenta.
Sem sua alma, o mundo
se tornaria um filme em preto e branco,
e o tempo não faria mais sentido,
simplesmente.
Você se despiria de suas roupas,
acessórios, lembranças,
para simplesmente caminhar descalço
pela areia quente da praia
imaginando qual o tamanho do oceano.

Pela moldura dos olhos você chegou a acreditar
que fossem almas indistintas,
inseparáveis.
E se ainda assim sua alma for embora
você poderá apenas
deixar seus passos solitários na areia.


*** para ouvir: Grand Hotel - Kid Abelha ***

Um comentário:

Assis Freitas disse...

tantas perguntas que ecoam e o silencio se plasma como resposta,


beijo