24 junho 2010

Discrição

Eram dois na entrada,
sonhos na cabeça de cada um.
Ele: cerveja gelada para anestesiar;
ela: coca cola na veia para dar barato.
Um brinde
e Rita Lee com água na boca...
Sob a mesa:
os pés dele encontrando os dela, sem querer;
as pernas dela cada vez mais esticadas, nada a ver.
Risos – eram não fumantes
e amigos.
Havia planos, viagens,
textos e elogios,
mas no fim das contas, eram amigos.
Nomes impronunciáveis,
pessoas improváveis,
eram declarações de amor visuais,
lidas apenas no braile da pele
com um abraço
para selar o desabafo de amor de duas almas
- amizade
entre homem e mulher.

 
*** para ouvir: Mania de você - Rita Lee ***

5 comentários:

Assis Freitas disse...

declarações de amor visuais, sem engendrar discurso entre amigos,

beijo

Impulsiva disse...

E tem coisa melhor???

Adorei o poema, consegui ler aí uma imensa história.

Lindo Joana, como sempre...

Beijos,
Kenia.

marinaCavalcante disse...

'Lidas apenas no braile da pele...'

Eu gostei.

Um abraço!

Eduardo Matzembacher Frizzo disse...

Gostei do seu espaço, minha cara Joana.

Mas uma pequena pergunta: como você descobriu o meu hoje um tanto parado INSUFILME?

Um grande abraço, Eduardo.

Endim Mawess disse...

parece até um daqueles amores impossiveis, os dois tão diferente que se completam