18 janeiro 2010

No escuro

o amargo
d'alma
devorando
o coração
doravante
errante.
- que nem vela
acesa
me veja
esperando por ela.

2 comentários:

Marco A. disse...

... as vezes a alma vem
a nos perguntar se
a mesma existe.

Abraços Marco

Assis Freitas disse...

No escuro mas com muita clarividência. Abraço.