14 outubro 2011

Avesso óbvio


Ai de mim, que nessa vida segregada
não sofro dor maior
que a de te esperar.
Ai de mim, que imploro desatinada
fique atrás da porta
para me ensinar a chorar
ou para quando eu te chamar...
isso me contenta,
deixa minh'alma tonta... lenta...
Desacostumei o sorriso
e me deixei partir em migalhas
poeira...
Ai de mim, que te espero acordada
enquanto sonhas labirintos imaculados...


*** para ouvir: Feeling good - Muse ***

2 comentários:

Assis Freitas disse...

o avesso, do avesso, do avesso, do avesso



beijo

Déborah Arruda. disse...

Que avesso intenso. Aliado à canção que deixaste, ainda mais bonito.